domingo, 31 de agosto de 2014

RECREAÇÃO E LAZER PARA A FAMILIA..

SER  envolve família em atividade recreativa

A  Secretaria de Esportes  promove lazer fora das quadras



Em ritmo de atividade física e confraternização cerca de 800 pessoas, entre adultos de crianças, participaram da Caminhada do Papai realizada pela Secretaria de Esportes e Recreação de Paulínia (SER) na manhã de hoje (31).


A caminhada durou aproximadamente uma hora e percorreu as ruas do Jardim Itapoan e bairro Santa Terezinha. A atividade foi monitorada por professores de Educação Física. O evento agradou os participantes que prometem organizar para trazer  amigos e familiares nos próximos
.

O secretário de Esportes, Marcos Bortoloti, ficou feliz com a participação em massa e o clima de confraternização familiar. “É muito gratificante reunir famílias, principalmente para que se exercitem fisicamente. Além disso, criamos um hábito saudável e ao mesmo tempo ocupamos os espaços públicos”, ressalta Bortoloti.

Para garantir a segurança de todos, a caminhada contou com profissionais da saúde, operadores de trânsito, carro de som, serviço de apoio com água e equipe de resgate.

O metalúrgico José Francisco do Nascimento foi com os netos e adorou a caminhada. “É uma oportunidade maravilhosa de ficar com a família e se divertir. Vim com os meus netos pra ensinar pra eles logo cedo que atividade física é importante pra saúde. Apesar do cansaço eles adoraram”, disse Nascimento.

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

POVO COMPRA GATO POR LEBRE EM PAULÍNIA SP

Gato por lebre

Por Miguel Samuel de Araujo
Supreendente o esclarecimento sobre as casas construídas no Residencial Pazetti. Os módulos I e II foram financiados e comercializados como um empreendimento meramente comercial quando na verdade haviam critérios para atender interesses sociais, foi o que relatou o líder do Governo Sandro Caprino na Sessão Ordinária realizada na terça- feira, dia 19 de agosto.  Na Tribuna, o vereador leu apontamentos do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo( TCE)- que falam dos objetivos que o projeto deveria cumprir.
Relatos dos auditores
A análise do caso do residencial confirma a prática de comércio por corretagem de casas construídas com recursos públicos, desviando totalmente a finalidade do projeto, inclusive para pessoas que não moram na cidade
Interesses especulatórios
O Residencial foi idealizado na gestão (2005/2008) para atender famílias com rendas de até dez salários mínimos e foi constatado que teve casa comprada  por pessoas, cujas famílias formam renda bem superior a dez salários. Evidência de direcionamento dos interesses meramente comerciais, são as ofertas de casas do Pazetti que já aparecem no mercado imobiliário, conforme anúncios veiculados em mídia eletrônica.
O discurso da Isonomia
A gritaria daqueles que financiaram suas casas pela Caixa, com entrada de até R$ 30 mil e pagamento do pré- obra tem sentido na medida que o próprio TCE aponta o desenquadramento do projeto quanto ao objetivo principal. De acordo com o esclarecimento feito em plena sessão de Câmara com transmissão ao vivo, a atual administração teve que investir R$ 70 milhões para que as primeiras casas ficassem em condições de serem entregues.

Obra abandonada
O relatório lido por Sandro Caprino na Tribuna da Câmara, registra uma visita de auditores do TCE em abril de 2013 que confirma o abandono da obra, o que fez a atual administração fazer investimentos. Logo, se tiver alguém contra quem os proprietários têm que protestar é contra quem vendeu gato por lebre, há! há! há!. Outro ponto que precisa ficar registrado é que foi celebrado convênio com a Caixa para comercializar apenas os módulos  I e II.
Direitos adquiridos
O vereador Sandro Caprino reconhece o direito dos proprietários das casas do Pazetti como legítimos, eles são compradores, adquiriram suas casas de acordo com as exigências do contrato. Agora, as pessoas que vivem em situação de vulnerabilidade social estão sendo atendidas de acordo com seus direitos. Se as casas foram postas à venda, alguém decidiu comprar e atendeu as exigências, a transação foi legítima do ponto de vista jurídico
Casas vendidas
A gritaria dos opositores acaba por impedir a compreensão da medida política para resolver pelo menos em parte o quadro do déficit habitacional em Paulínia. As casas do Residencial Pazetti não serão doadas, elas serão vendidas, só que por um outro modelo de financiamento que não faz as mesmas exigências da Caixa. A prestação será referente a metade do salário mínimo vigente. Além do pessoal do acampamento Menezes, serão incluídas as famílias que vivem em situação de vulnerabilidade nas fazendas Santa Terezinha e Paraíso. O projeto de lei já aprovado na legalidade se estende para todos que se enquadram nos critérios e estão cadastrados.
Política de Moradia I
Nessas horas, a gente percebe os interesses que norteiam os discursos na Câmara Municipal. Antes da discussão sobre se inclui ou não as famílias no conjunto Residencial Pazetti, é preciso ver as necessidades das pessoas, essa deveria ser a intenção dos opositores que entram em desgaste com a comunidade. E não adianta dizer que o povo do Acampamento Menezes estava ali manipulado por esse ou por aquele, isso é bobagem. No mínimo quer superestimar o adversário ou menosprezar as pessoas que precisam, isso é feio. Até porque quando as galerias da Casa foram tomadas contra o fim das subvenções para as entidades de terceiro setor, ninguém foi lá dizer que aquelas pessoas eram manobradas.
Política de Moradia II
Quem vive de salário, paga aluguel sabe o que é sonhar com o seu próprio canto morar. Quem está como representante do povo no Legislativo e sai com uma besteira dessa precisa medir as palavras, até porque, salvo a diplomação que tem como autoridade eleita pelo povo, essa pessoa não é nem um pouco superior ao povo da platéia.
Lei de Darwin
O processo político é seletivo e da forma mais natural com representantes do povo que usam da soberba, menospreza o povo e capacidade de pensar das pessoas. Todo mundo sabe que a Casa de Leis é movida por interesses políticos inspirados nos interesses do povo e assim, nosso destaque aqui para a maestria com que o presidente Marquinhos da Fiorella, o Peixe conduziu uma sessão que prometia acontecer em ambiente muito tenso para agradar alguns egos do ” quanto pior melhor”.

terça-feira, 26 de agosto de 2014

REPENSANDO O ESPAÇO URBANO

Importantes cuidados com o  Planejamento estratégico



Para que  um Planejamento Estratégico seja bem sucedido, é preciso que o corpo gestor tenha claro as possibilidades legais das ações e saiba confrontá-las com o discurso movido pela euforia da disputa da qual aquele grupo foi vitorioso. Tão imortante como tudo isso, é organizar as ações no tempo de duração da gestão, projetar a curto , médio e a longo prazo sem perder as perspectivas da democratização das relações com a sociedade. Logo, um eficiente sistema de comunicação deve ser construído ( usando todos os meios disponíveis) para mostrar á sociedade o quadro real  e os aspectos jurídicos nos quais esbarram as intenções, diante do quadro que tem e o cenário projetado
 Sendo assim, a Lei de Responsabilidade Social, a Lei das Licitações, bem como as legislações já existentes, como uso e parcelamento do solo, de zoneamento devem ser observadas e analisadas sobre todos os aspectos . Uma das principais  medidas é  abrir um canal de entendimento com o Poder Legislativo.

Vencidas essas etapas, o setor de planejamento fica mais á vontade para esboçar o plano que o Corpo Gestor( prefeito e equipe) pretende  a partir das  propostas  apresentadas nos palanques. No final de um exercício dos quatro anos que compreende o mandato,um posicionamento de  um Conselheiro de Tribunal de Contas pode obrigar a alteração de cronogramas importantes se os contratos, editais e formas de pagamentos não forem observados. 
Dentro desse olhar, os setores de finanças e jurídicos dos governos precisam destacar sempre um técnico para acompanhar o processo do planejamento , bem como a execução de planos de metas, para que todo o projeto estratégico  tenha previsão de dilatação de prazos em seus cronogramas de execução para que possíveis desacertos observados pelo jurídico possam ser corrigido sem o prejuízo dos prazos estabelecidos( Miguel Samuel de Araujo)


segunda-feira, 25 de agosto de 2014

DIAP PÕE VACAREZZA ENTRE OS INFLUENTES

Pela 8a vez, Vaccareza aparece em pesquisas  

do Diap


O deputado tem sido homem da linha de frente 



Em pesquisa divulgada pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (diap), o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) aparece pela oitava vez consecutiva como um dos parlamentares mais influentes do Congresso. De acordo com o diap, os “Cabeças” do Congresso são os parlamentares que conseguem se diferenciar dos demais pelo exercício (…) algumas qualidade e habilidades.

Além disso, Vaccarezza também foi escolhido por três vezes como um dos dez mais influentes do Congresso até o ano de 2013. O diap ainda não divulgou a lista de 2014.
Trajetória
O deputado federal Cândido Vaccarezza (PT-SP) começou sua carreira política no movimento estudantil da Bahia e na luta pela democratização do País. Ajudou na reorganização da União Nacional dos Estudantes (UNE) em 1979 e foi membro da primeira diretoria na reconstrução da entidade.
Mudou-se para São Paulo em 1981 para concluir o curso de Medicina e fazer residência médica. Um dos fundadores do PT na Bahia, ajudou a construir o Partido dos Trabalhadores também em São Paulo, onde exerceu diversos cargos de direção, inclusive o de presidente do Diretório Municipal de São Paulo e o de secretário-geral do Diretório Nacional.
Disputou a primeira eleição em 1998 firmando três compromissos que orientam seus mandatos até hoje: lutar pelo desenvolvimento de São Paulo e do Brasil; pela geração de empregos e pela distribuição de renda. Tem como princípios as liberdades individuais, como a liberdade de culto, e a liberdade de imprensa. Defende o Estado laico e s reformas que estão sendo propostas pelo PT

MOBILIDADE URBANA EM PAULINIA

ACIP tem encontro de empresários para discutir assuntos de interesse geral do comércio



Empresários do comércio em Paulínia, preparam uma série de ações para movimentar a economia da cidade, com encontros e campanhas para estimular o consumo. O presidente da Associação Comercial e Industrial de Paulínia, Élio Silva de Almeida se declara satisfeito com a disposição de um grupo de associados de contribuir para melhorias da cidade e suas atividades empresariais. Uma assembleia realizada na sede da ACIP no dia 20, deliberou pelo evento LIQUIDA PAULÍNIA que vai oferecer descontos de 40 até 70% em suas ofertas entre os dias 20 e 22 de outubro. A diretora do Departamento de Promoções e Eventos da ACIP, Darlene Gorski Cruz, informa que o material promocional está sendo preparado e em breve serão divulgados os nomes das empresas que estarão na promoção. Outro grupo está organizando o Feirão de Imóveis da cidade para o mês de novembro com muitas ofertas. Em dezembro haverá a "Campanha promocional do Natal".
A revitalização do centro da cidade e a falta de vagas para estacionar também vem sendo estudada pela categoria dos empresários. O encontro teve a presença do Secretário dos Transportes, Laércio Giampaoli que se demonstrou interessado em ouvir os empresários sobre mudanças nas mãos de trânsito. De acordo com o presidente Élio Silva, hoje a classe empresarial está disposta a contribuir para que a cidade enfrente os novos desafios como a falta de segurança para o comércio, a mobilidade urbana e regularização das pendências junto aos órgãos do governo, como tributos e Autorização e Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB), alvarás e outros. Para isso, a ACIP também se reuniu com um grupo de contabilistas da cidade e uma proposta está sendo preparada. A gestão de Élio Silva na ACIP, se propõe a construir uma agenda propositiva que inclui a instituição de cartão de fidelidade e Rede de Benefícios para agilizar o comércio local.Para aderir à Campanha LIQUIDA PAULÍNIA, o contato é 9 7405-7581 com Darlene.

sábado, 23 de agosto de 2014

GETÚLIO : A HISTÓRIA LEMBRADA

Suicídio de Getúlio: Sessenta anos 

Por Jasson de Oliveira Andrade 

http://3.bp.blogspot.com/-GK23XrkZfmQ/U_ZssTqvAcI/AAAAAAAABGU/T5rY9FYwyPo/s1600/GET%25C3%259ALIO%252BVARGAS%252B-%252BFOTO%252BCOM%252BA%252BM%25C3%2583O%252BMOLHADA%252BDE%252BPETR%25C3%2593LEO%252B%281%29.gif&container=blogger&gadget=a&rewriteMime=image/*" alt="" width="320" height="320" border="0">


No dia 24 de agosto de 1954, há sessenta anos, o então presidente Getúlio Vargas se suicidou. O ato extremo é até hoje polêmico. Um fato não existe controvérsia: o motivo foi evitar a sua deposição. Quanto ao outro fato, este sim, deixa ainda dúvidas: o atentado contra o jornalista e político udenista Carlos Lacerda, que causou a morte do major Vaz, que o acompanhava. Gregório, Chefe da Guarda Pessoal de Vargas, planejou o atentado. Alguns afirmam que ele agiu por conta própria, outros dizem que a ordem partiu do governo ou de parentes do presidente. Existe mesmo uma hipótese do jornalista e escritor Carlos Heitor Cony, em seu livro “Quem matou Vargas - 1954: uma tragédia brasileira”, que houve inspiração estrangeira (CIA). É a hipótese mais polêmica, que veremos posteriormente.

Existem vários livros que tratam do suicídio de Getúlio. O melhor e mais completo, em minha opinião, é: “1954: Um Tiro no Coração”, do historiador Hélio Silva (1904-1995). Ele relata, com minúcia, como se deu o atentado e o desenrolar do Inquérito até o suicídio, além de anexos ( discursos de vários políticos daquela época, Manifestos de Militares, Carta Testamento e outros documentos importantes ). O livro foi publicado em 1978, pela Civilização Brasileira e reeditado em 2007 pela L&PM (livro de bolso).

Agora, em agosto de 2014, saiu o último livro sobre o assunto: Getúlio 3 (1945-1954), do historiador Lira Neto. Antes, tivemos um filme sobre o Getúlio, interpretado por Tony Ramos. Luiz Carlos Merten, em artigo publicado no Estadão (9/8/2014), sob o título “Filme retrata emoção dos momentos finais”, após comentar o livro de Lira Neto, escreveu: “E o filme é maravilhoso, um grande thriller político. Quem é mais fiel, Lira Neto ou George Moura/João Jardim? Não importa, ou melhor, o que importa é que ambos tentam decifrar o enigma do homem e do político. (...) O leitor imagina Getúlio com base na iconografia oficial. O espectador vê Tony Ramos, tão perfeito no papel, que nem o próprio Getúlio desfaz a mágica. São obras sérias, o filme como o livro. Nos permitem entender como 1954 (o suicídio) antecipou 1964 (o golpe). A fórmula “leia o livro, veja o filme” nunca foi mais acurada”.

Como já disse, o livro mais polêmico sobre o suicídio de Getulio é o de Cony. Nele, o escritor levanta uma hipótese que merece ser divulgada, embora até hoje não tenha sido provada. Ele diz: “O episódio de Torneleiros [atentado contra Lacerda] teria de imediato, uma versão oficial, que até hoje persiste. Mas ao lado da versão oficial, o tempo está se encarregando de mostrar outro aspecto do problema e já se pode erguer, sobre bases concretas (sic), não ainda uma nova versão, mas uma hipótese”. Na opinião de Cony, “na crise – ou no crime – de Toneleiros, dois homens entraram de Pilatos no mesmo credo. Um deles foi Gregório. O outro foi Lacerda”. Aí Cony desconfia da Cia. Ele lembra que outros governantes haviam sido vítimas dela. Depois faz um gráfico, de difícil reprodução em jornal, e cita nesse gráfico, um deputado lacerdista, afirmando: “Embora não fosse da CIA, Armando Fonseca, o “guarda-de-luxo” da equipe de Gregório (sic), mantivera permanente contato com funcionários da Embaixada dos EUA, freqüentando festas, excursões e atividades sociais. Fazia o elo entre os funcionários da embaixada e os guardas pessoais do Catete, trocando informações e programas, oficiais ou não. Mais tarde, Amando Fonseca foi sócio da mulher de Gregório (sic) num mercadinho em Copacabana. Eleito deputado pela Guanabara, foi líder de Carlos Lacerda (sic) na Assembléia Legislativa do Estado da Guanabara”. Uma trajetória no mínimo estranha: de “guarda-de-luxo” da equipe de Gregório a líder de Lacerda! Seria coincidência o deputado lacerdista estar ligado à Embaixada dos Estados Unidos? Cony termina seu livro afirmando; “(o suicídio) ficaria eternamente impune se, na hora de sua morte, Getúlio, mais pela intuição que pelo conhecimento do caso, não tivesse escrito um testamento [ Carta Testamento ] em que dava o nome aos bois”. Será? Se non é vero, é bene trovato, como dizem os italianos. Se não é verdade, é bem provável...