terça-feira, 16 de setembro de 2014

MARIA CLARA MACHADO NO PAULINIA SHOPPING

“A MENINA E O VENTO”
( Obra de Maria Clara Machado)
No Teatro do Paulinia Shopping, nos finais de semana

Neste final de semana, os alunos do Curso de Teatro do Ceart estreiam a peça “A menina e o Vento”. O espetáculo ser apresentado nos finas de semana, dias 20, 21 , 27 e 28 de setembro, sábados e domingos, com início ás 16 horas. O público, especialmente as crianças, poderá conferir um dos mais belos textos da dramaturgia infantil, encenado por crianças e adolescentes de 07 à 14 anos.
“A Menina e o Vento” está entre as mais coerentes e completas peças de Maria Clara Machado no que diz respeito à transmissão de uma autêntica visão de mundo. Um ponto de vista existencial está claramente delineado: a condenação categórica de valores convencionais e dogmáticos, e a uma entusiástica exaltação da fantasia e da pura sensibilidade, que encontram na infância o seu estado mais cristalino.
Espetáculo
Entediada com as aulas de educação cívica das tias, que a obrigam a "amar o Brasil", a menina Maria vai até a Cova do Vento e é surpreendida por um vendaval. A investigação desse "sequestro" é repleta de personagens e situações cômicas, e o mote para Maria Clara Machado criticar a sociedade sem abandonar o lirismo e a leveza que a consagraram.
A montagem traz no elenco Júlio Morari, Luiz Dias, Larissa de Souza, George Wilson, Giovani Hakim Vianna, Mayara Macedo, Arthur Pavlu, Isabella Freitas, Ana Carolina Ueler, Nicole Santos, Melissa Aragão Silveira, Vitória Parizotto e Nathália Falsetti .Com músicas de Beto di Franco e Margareth Almeida e Direção de Rudah Silva, o espetáculo segue em cartaz até o dia 29, com sessões aos sábados e domingos às 16 horas. Os ingressos promocionais (antecipado e meia entrada) custam R$ 10,00 e R$ 20,00 no dia do espetáculo, podem ser adquiridos na bilheteria do Teatro Ceart, no Shopping de Paulínia. Inf: F: 38448240 ou através do site teatroceart.com.

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

PRECONCEITO: REVIRA O BAÚ E MEXE COM O TABÚ

Sobre o preconceito : uma conversa verdadeira que poucos fazem..Do ponto de vista da cultura e do comportamento humano, a discussão que se fez na cidade ,antes continua sendo feita depois de votado o projeto de lei do Executivo sobre a inclusão das famílias de baixa renda e vulnerabilidade social no Residencial Pazetti, trouxe uma importante reflexão acerca do preconceito com algumas lições de cidadania.  em debate
Do ponto de vista da cultura e do comportamento humano, a discussão que se fez na cidade ,antes continua sendo feita depois de votado o projeto de lei do Executivo sobre a inclusão das famílias de baixa renda e vulnerabilidade social no Residencial Pazetti, trouxe uma importante reflexão acerca do preconceito com algumas lições de cidadania. Preconceito, conforme está nos melhores dicionários significa um conceito formado antes da compreensão, ou seja , o pré- conceito.
Fora de moda e camuflado
É claro que numa sociedade que busca a modernidade e que para qualquer ato de discriminação sempre tem espaços na mídia, dificilmente alguém que consegue aprovar um cadastro na Caixa Econômica para financiar um imóvel de R$ 130 mil, vai ostentar em público que não aceita como vizinho, um trabalhador da economia informal , tipo ambulante ou agente ambiental,- nome moderno que se dá para  atividade de quem vive da coleta, reciclagem e comercialização de resíduos. A cultura convencial chama essas pessoas com esse perfil de vendedor de rua , catador de latinhas ou gente que vive de revirar o lixo. Esse é um vocabulário elitista e ridículo de um período quatrocentão que exclui pessoas pela sua condição  sócio- econômica, sem levar em conta os direitos de um ser humano de ir , vir e ou permanecer onde se encontra.
Fratura exposta
A liminar da Justiça impondo para o presidente da Câmara, Marquinhos da Fiorella retirar um parte da plateia da Casa, já ocupada pelos moradores do Acampamento Menezes que chegaram mais cedo, para dar lugar ao pessoal do Residencial que chegou depois. O preconceito ficou evidente nos argumentos que insinuou que só aqueles que chegaram depois são pessoas que trabalham, conforme algumas postagem feitas pelas redes sociais.
Bons modos
Invés de acirrar os ânimos entre os grupos, a expressão generalizada deixou uma lição de cidadania ela compreensão demonstrada para com a decisão da Justiça. O pessoal assistiu a sessão, comemorou o resultado e o pessoal do Residencial Pazetti que estava contra a votação saiu xingando os vereadores que votaram contra seus interesses.
O direito moderno e o arcaico
Outro ponto interessante a ser observado no momento político em que vive a cidade de Paulínia quando o tema é moradia, é essa história de direito adquirido. Vira e mexe, a mesma cantilena soa nas sessões da Câmara, sempre para sustentar teses politicas defendida por gente entendida de direito e versada nas leis. Embora sejamos obrigados acatar decisões judiciais baseadas nas leis e as leis procuramos cumprí-las no maior rigor, há que se ressaltar que vivemos ainda em um modelo arcaico de Estado pautado pelas desigualdades sociais e controlado por interesses de uma minoria, isso é verdade. A nosso ver, tudo deveria ser  compreendido e muitas decisões devem ser tomadas sob o espírito do bom discernimento com a aplicação da flexibilidade na praticas de ações que apontam para os conflitos. E foi assim que agiu a Mesa Diretora da Câmara para que a Sessão transcorresse na normalidade, embora interesses mesquinhos apostassem no tumulto que não houve.
Apartados e marcados

Se mostrou contraditório , o discurso daqueles que defendem a isonomia e igualdade de direitos , diante de um quadro em que a presidência da Casa de Leis teve que ordenar aos seus assessores que buscassem formas de identificar pessoas do Residencial Pazetti e do Acampamento Menezes, sendo que ali havia gente de todos os lugares da cidade como habitualmente acontece  em sessões da Câmara.
A Sociedade moderna
As pessoas que vivem no ambiente da politica e das disputas do poder precisam antes de tudo compreender a origem da Estado, da propriedade privada e da família, inclusive é tema de uma clássica obra de Friedrich Engels. São padrões que mudam com o passar dos tempos, impondo comportamentos e modos de vida.
Nossa cidade
Paulínia está inserida dentro deste contexto e não foge á regra das contradições, existentes em todos os centros urbanos brasileiros. Isso não quer dizer que o tradicionalismo e só os interesses de algumas famílias devem prevalecer. Nós respeitamos todas as pessoas, desde os descendentes de italianos, os mineiros e baianos e tantos outros que fazem a cidade ser o que é, cada qual a seu modo e no seu espaço.
Dilemas urbanos
O presidente do Instituto de Pesquisa Aplicada, Ipea, o economista Márcio Pochmann afirma que o desafio da sociedade moderna está na redefinição do espaço urbano, é preciso redescobrir as cidades. Tem razão, ele. Todas as cidades têm problemas de mobilidade, moradia e segurança e que todas as pessoas têm seus direitos. No caso de Paulínia, a cidade cresceu rapidamente e o tempo se encarrega de construir novos desenhos e cenários para seus atores sociais. Um desafio que se torna  o compromisso cotidiano de todas e todos que vivem o seu presente se interessam pelo seu futuro


segunda-feira, 8 de setembro de 2014

PAVAN, O GRANDE VAI PRA LÀ E VEM PRA CÀ .



Política dos Bastidores

Por  Miguel Samuel de Araujo
Quando era do seu interesse, o ex- prefeito José Pavan Junior(PSB), promoveu uma reunião com um grupo de filiados ao PT no Hotel IBIS, trouxe a deputada estadual Ana do Carmo e prometeu apoiá-la para a reeleição, assim como falou de sua aproximação com o PT e á presidente Dilma Roussef, candidata á reeleição. Passado um tempo, ele se apresentou como candidato a deputado estadual em dobrada com a Luiza Eru
ndina em apoio á Marina Silva (PSB). Análise mais fria, faz concluir que esse " vai prá lá "  e vem prá cá , tem outro objetivo. Pavan é candidato com liminar dada pela Ministra do TSE por que ele é condenado em duas instâncias e está com os direitos politicos suspensos. A candidatura de última hora é um  balão de ensaio. Ele está mesmo é de olho numa possível cassação  do prefeito Moura Jùnior  para ele assumir como segundo mais votado. Em tempo, vale destacar que a Ministra Luciana Lóscio é a mesma que votou  a favor de Pavan no processo que tentou impedir a posse do prefeito Moura Júnior que substituiu o pai, o ex- prefeito Edson Moura nas vésperas da eleição.Observadores mais antigos da politica paulinense, acreditam que o carinhoso apelido de "Paraná dado á José Pavan Júnior se deve ao seu estilo " Vai prá lá e vem pra cá, há! há! há!  
Fervilhando
Até quando encerrávamos a presente edição, a especulação sobre o possível substituto do ex- secretário da Saúde, Renato Cardoso, era o assunto principal, isso em função das demandas  em andamento naquela importante pasta. Está em curso um processo de contratação de profissionais e da conclusão das obras do Hospital.
Avaliação do período
O ex- secretário faz um balanço positivo de sua atuação no período de cerca de um ano á frente da pasta e como colaborador da Administração do prefeito Edson Moura Júnior. A seu ver, ele entrou apagando fogo e caiu exatamente pela intensidade do fogo amigo. Para quem conhece os meandros do poder, essa expressão dispensa qualquer explicação sobre a demissão de Cardoso. Por ser de fora, ele parece não  ter conseguido emplacar seu estilo com a equipe da Secretaria, não conseguiu trazer os seus de outras cidades e nem teve como amarrar os bigodes com outros secretários e equipes do Jurídico e Financeiro.
O quem tem que ser feito
Problemas com a falta de remédio ainda persistem para alguns itens e tem a reforma da UBS do Amélia  e outros  servicinhos pendentes. Falta agora integrar o sistema local na região e fazer funcionar bem o que já existe, ajeitar de forma que preste, uma rede de informática mais atualizada, sair do sistema lerdo de poucos gigas, colocar gente para trabalhar onde precisa. Ainda tem a falta de médicos, como pediatras no Hospital e plantonistas. Fora isso, tem a necessidade de programas especiais que atrasam pela instabilidade da equipe, cuja pasta tem um titular na  interinidade
Dever de casa I
A decisão da Prefeitura de destituir o Conselho Municipal de Educação ( CME) instala mais um impasse nas relações entre governo e sociedade. O parecer que motivou a decisão aponta que o mandato da atual gestou terminou , enquanto que representantes do CME insistem , uma vez levada em conta a data da publicação das nomeações, o mandato do conselho está dentro da regularidade.
Dever de casa  II
Para os conselheiros, a medida da administração, é vista como retalhação por conta de cobranças á secretária da Educação Rita Lanza. Os Conselhos querem que sejam abertas as conversas para a implantação do Plano Municipal de Educação PME, que sejam convocados fóruns de discussão envolvendo a comunidade escolar, que compreende de professores, funcionários elunos e pais O Conselho também protocolou na Câmara, o pedido de uma Comissão Especial de Investigação para apurar possíveis irregularidades nas ações administrativas da pasta. Outra polêmica sobre a Educação reside na interdição de prédios escolares a pedido da Promotoria e a reforma do Lozano, tem tem provocado protestos de pais, alunos e funcionários. A Secretaria se torna um barril de pólvora por conta da
Rita Lanza X Ritalina
Para buscar um consenso  e apaziguar os ânimos, a Secretaria convoca os funcionários da Educação para uma reunião nesta quarta- feira , dia 10, ás 19 horas na Sala de Imprensa  para debater uma extensa pauta referentes aos pleitos da categoria
O resultado político
Tanto no caso da demissão do secretário  da Saúde, como o impasse na Educação, o pessoal de oposição ligado ao ex- prefeito José Pavan Júnior está em festa, chamando para si, o resultado das ações politicas e as reações das pessoas. A rigor, é preciso destacar que quem move o grupo do ex- prefeito é gente que já esteve com os  Moura e perdeu espaço no grupo. De propostas politicas mesmos esse pessoal não tem nada. Tem um casal que até há pouco tempo, via  nos Moura a promessa de melhorias da cidade e de seus interesses e que não via a hora da saída de Pavan.
Oposição digital
Por conta de conversas mal acabadas viraram suas artilharia contra o prefeito e sua equipe. Para todos os atos do governo,eles abrem post nas redes sociais e chamam os internautas a se posicionarem. Diz a boca miúda, que na verdade esses lideres de  grupos facebook que se desgarraram do grupo que administra a cidade  querem   mesmo retomar as conversas que não foram concluídas.
Muito engraçada
O tempo passa e o formato das propagandas não muda, sempre igual. Tem cada nome engraçado e cada proposta absurda que nem vale a pena citar.
Rumores rondam o redutos
O pessoal ligado ao ex-prefeito José Pavan festeja uma possível dispersão do pessoal dos Moura em função da turbulência política. Só  que o pessoal do ex- prefeito também está mais do que disperso e se resume em poucas pessoas que se desdobram em vários fakes na Rede Social para impressionar. O grupinho radicalizado de aposição digital foi subsidiado pela substância que borbulha sobre o leite quando ferve e agora a própria nata passou a postar verborragias, há! há! há!..







quinta-feira, 4 de setembro de 2014

MORADIA POLÊMICA

MUITA CALMA NESTA HORA---  O presidente da Câmara Municipal de Paulinia, Marquinhos da Fiorella , mostrou habilidade para conduzir a última sessão Ordinária do dia 2  , quando foi votado o projeto do Poder Executivo sobre a inclusão de famílias m estado de risco e vulnerabilidade no Residencial Pazetti. Filas se formaram diante do prédio da Casa desde cedo por adultos e crianças para garantir espaço na plateia.
 Uma liminar concedida pela Justiça no final da tarde determinou que a plateia fosse dividida entre as pessoas do Residencial Pazetti e pessoas do Acampamento Menezes, interessados na votação. O  presidente interrompeu a Sessão para cumprir a Liminar. O pessoal do Residencial estava contra o Projeto que os módulos I e II foram financiados pela Caixa Econômica Federal, com prestações mensais que variam entre R$ 800, 00 e R$ 1 mil,  enquanto  que os atendidos pelo Projeto do Executivo para o módulo III serão financiados diretamente pela Prefeitura.
O exemplo de bons modos e comportamento ficou para os moradores do Acampamento Menezes que de forma ordeira se dividiu e uma parte dos presentes já acomodados na Casa deixou  o plenário sob aplausos para a entrada do pessoal do Pazetti.
 Dentro da Câmara eles ficaram separados, os do Acampamento á direita de quem entra e os no Pazetti á esquerda.
Fiorella, agradeceu a compreensão do, pediu desculpas pelo transtorno e constrangimento  que a decisão provocou. Ele disse que o espaço da Câmara não pode ser restrito só para A e B. È um espaço público para quem quer acompanhar os trabalhos e que o fato de identificar entre os presentes as pessoas rotulando- as entre moradores do Menezes e do Pazetti, foi um ato constrangedor. Os trabalhos foram retomados  e o projeto foi aprovado por 7 votos favoráveis e 5 contrários, sob aplausos e gritos de emoção dos beneficiados , enquanto os representantes do Pazetti protestaram.




domingo, 31 de agosto de 2014

RECREAÇÃO E LAZER PARA A FAMILIA..

SER  envolve família em atividade recreativa

A  Secretaria de Esportes  promove lazer fora das quadras



Em ritmo de atividade física e confraternização cerca de 800 pessoas, entre adultos de crianças, participaram da Caminhada do Papai realizada pela Secretaria de Esportes e Recreação de Paulínia (SER) na manhã de hoje (31).


A caminhada durou aproximadamente uma hora e percorreu as ruas do Jardim Itapoan e bairro Santa Terezinha. A atividade foi monitorada por professores de Educação Física. O evento agradou os participantes que prometem organizar para trazer  amigos e familiares nos próximos
.

O secretário de Esportes, Marcos Bortoloti, ficou feliz com a participação em massa e o clima de confraternização familiar. “É muito gratificante reunir famílias, principalmente para que se exercitem fisicamente. Além disso, criamos um hábito saudável e ao mesmo tempo ocupamos os espaços públicos”, ressalta Bortoloti.

Para garantir a segurança de todos, a caminhada contou com profissionais da saúde, operadores de trânsito, carro de som, serviço de apoio com água e equipe de resgate.

O metalúrgico José Francisco do Nascimento foi com os netos e adorou a caminhada. “É uma oportunidade maravilhosa de ficar com a família e se divertir. Vim com os meus netos pra ensinar pra eles logo cedo que atividade física é importante pra saúde. Apesar do cansaço eles adoraram”, disse Nascimento.

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

POVO COMPRA GATO POR LEBRE EM PAULÍNIA SP

Gato por lebre

Por Miguel Samuel de Araujo
Supreendente o esclarecimento sobre as casas construídas no Residencial Pazetti. Os módulos I e II foram financiados e comercializados como um empreendimento meramente comercial quando na verdade haviam critérios para atender interesses sociais, foi o que relatou o líder do Governo Sandro Caprino na Sessão Ordinária realizada na terça- feira, dia 19 de agosto.  Na Tribuna, o vereador leu apontamentos do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo( TCE)- que falam dos objetivos que o projeto deveria cumprir.
Relatos dos auditores
A análise do caso do residencial confirma a prática de comércio por corretagem de casas construídas com recursos públicos, desviando totalmente a finalidade do projeto, inclusive para pessoas que não moram na cidade
Interesses especulatórios
O Residencial foi idealizado na gestão (2005/2008) para atender famílias com rendas de até dez salários mínimos e foi constatado que teve casa comprada  por pessoas, cujas famílias formam renda bem superior a dez salários. Evidência de direcionamento dos interesses meramente comerciais, são as ofertas de casas do Pazetti que já aparecem no mercado imobiliário, conforme anúncios veiculados em mídia eletrônica.
O discurso da Isonomia
A gritaria daqueles que financiaram suas casas pela Caixa, com entrada de até R$ 30 mil e pagamento do pré- obra tem sentido na medida que o próprio TCE aponta o desenquadramento do projeto quanto ao objetivo principal. De acordo com o esclarecimento feito em plena sessão de Câmara com transmissão ao vivo, a atual administração teve que investir R$ 70 milhões para que as primeiras casas ficassem em condições de serem entregues.

Obra abandonada
O relatório lido por Sandro Caprino na Tribuna da Câmara, registra uma visita de auditores do TCE em abril de 2013 que confirma o abandono da obra, o que fez a atual administração fazer investimentos. Logo, se tiver alguém contra quem os proprietários têm que protestar é contra quem vendeu gato por lebre, há! há! há!. Outro ponto que precisa ficar registrado é que foi celebrado convênio com a Caixa para comercializar apenas os módulos  I e II.
Direitos adquiridos
O vereador Sandro Caprino reconhece o direito dos proprietários das casas do Pazetti como legítimos, eles são compradores, adquiriram suas casas de acordo com as exigências do contrato. Agora, as pessoas que vivem em situação de vulnerabilidade social estão sendo atendidas de acordo com seus direitos. Se as casas foram postas à venda, alguém decidiu comprar e atendeu as exigências, a transação foi legítima do ponto de vista jurídico
Casas vendidas
A gritaria dos opositores acaba por impedir a compreensão da medida política para resolver pelo menos em parte o quadro do déficit habitacional em Paulínia. As casas do Residencial Pazetti não serão doadas, elas serão vendidas, só que por um outro modelo de financiamento que não faz as mesmas exigências da Caixa. A prestação será referente a metade do salário mínimo vigente. Além do pessoal do acampamento Menezes, serão incluídas as famílias que vivem em situação de vulnerabilidade nas fazendas Santa Terezinha e Paraíso. O projeto de lei já aprovado na legalidade se estende para todos que se enquadram nos critérios e estão cadastrados.
Política de Moradia I
Nessas horas, a gente percebe os interesses que norteiam os discursos na Câmara Municipal. Antes da discussão sobre se inclui ou não as famílias no conjunto Residencial Pazetti, é preciso ver as necessidades das pessoas, essa deveria ser a intenção dos opositores que entram em desgaste com a comunidade. E não adianta dizer que o povo do Acampamento Menezes estava ali manipulado por esse ou por aquele, isso é bobagem. No mínimo quer superestimar o adversário ou menosprezar as pessoas que precisam, isso é feio. Até porque quando as galerias da Casa foram tomadas contra o fim das subvenções para as entidades de terceiro setor, ninguém foi lá dizer que aquelas pessoas eram manobradas.
Política de Moradia II
Quem vive de salário, paga aluguel sabe o que é sonhar com o seu próprio canto morar. Quem está como representante do povo no Legislativo e sai com uma besteira dessa precisa medir as palavras, até porque, salvo a diplomação que tem como autoridade eleita pelo povo, essa pessoa não é nem um pouco superior ao povo da platéia.
Lei de Darwin
O processo político é seletivo e da forma mais natural com representantes do povo que usam da soberba, menospreza o povo e capacidade de pensar das pessoas. Todo mundo sabe que a Casa de Leis é movida por interesses políticos inspirados nos interesses do povo e assim, nosso destaque aqui para a maestria com que o presidente Marquinhos da Fiorella, o Peixe conduziu uma sessão que prometia acontecer em ambiente muito tenso para agradar alguns egos do ” quanto pior melhor”.