quarta-feira, 22 de outubro de 2014

VICE- PREFEITO DE PAULÍNIA DECLARA VOTO EM DILMA

Bonavita declara voto em Dilma  para Presidente da República

A decisão do vice- prefeito de Paulínia e presidente do Diretório Municipal do PTB foi tomada depois que ele conversou com   presidente do Diretório Estadual e secretário –geral da Executiva Nacional, Campos Machado.

O vice- prefeito de Paulínia, Francisco Almeida Bonavita Barros (PTB)  anunciou seu apoio á candidatura de Dilma Rousseff á presidência da República, apesar da orientação da direção nacional do PTB ser para todos os diretórios  pedirem votos para Aécio Neves (PSDB).
Bonavita apoiou Aécio Neves no primeiro turno.Seu grupo fez campanha para Campos Machado que teve.1746 votos e para  a candidata ao Senado, Marlene Machado que teve  2.250 votos em Paulínia.
Bonavita  informou que  Campos Machado entendeu a decisão como ponto de honra para cumprir o acordo entre PTB e PMDB que o elegeu como vice- prefeito na chapa de Edson Moura Junior.
Em release distribuído, o diretório estadual do PTB, afirma buscar a unidade nacional em torno do nome de Aécio Neves. Segundo Bonavita, Machado compreendeu que as tratativas no município  devem estar em primeiro plano, até porque as alianças entre Campos Machado e o grupo de Moura vieram antes.


De acordo com Bonavita, o prefeito Edson Moura Junior , pediu  apoio aos integrantes de seu grupo para Dilma e foi o que ele relatou á Campos Machado. Para o vice- prefeito, a flexibilidade do presidente do PTB, mostra a grandeza de uma liderança de respeitar acordos e honrar compromissos. “ Minha educação  politica é baseada no cumprimento de acordos e respeitos aos meus lideres.Campos, é meu dirigente partidário em instâncias superiores e em Paulínia, como vice- prefeito , eu sou do grupo  de Edson Moura e a ele me reporto por isso por sua indicação, nós votamos em Dilma para presidente“..

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

MARINA MORREU POLITICAMENTE---OPINIÃO

publicado em 12 de outubro de 2014 às 23:29


Ela foi para um ambiente muito distante daquele que a projetou

Marina
por Laura Gabriglione, em seu blog, sugestão de FrancoAtirador
Acabou Marina Silva (1958-2014).
Fundadora da Central Única dos Trabalhadores e organizadora do PT, além de amiga e fraternal companheira do líder seringueiro Chico Mendes, Marina Silva foi durante anos, dentro do campo da esquerda brasileira, a representante de uma utopia que tentou conciliar três vetores quase sempre desalinhados: o desenvolvimento econômico, a inclusão social e o respeito ao meio ambiente e às populações tradicionais.
Sua saída do PT, em 2009, empobreceu o partido e o debate interno sobre qual caminho seguir na busca por um mundo mais justo e solidário.
A figura frágil – sobrevivente da miséria dos migrantes recrutados para trabalhar na extração da borracha; nascida em uma família de onze irmãos (da qual oito se criaram); órfã aos 15 anos; sonhática (conforme a auto-definição); vítima da malária, da intoxicação pelo mercúrio dos garimpos e da leishmaniose (doenças da extrema pobreza) – pereceu no domingo, 12 de outubro, depois de lenta agonia.
Foi nesse dia que ela formalizou seu apoio ao tucano Aécio Neves no segundo turno das eleições presidenciais, contra a candidatura da petista Dilma Rousseff.
Como membro do Partido dos Trabalhadores, onde militou durante 23 anos, Marina ajudou a eleger e a implantar o governo de Luiz Inácio Lula da Silva, em que exerceu o cargo de ministra do Meio Ambiente durante cinco anos e quatro meses. Foi um período importante, que consolidou as condições para o Ceará, terra dos pais de Marina, crescer mais velozmente do que a média nacional –3,4% ao ano, contra 2,3% da média nacional.
Anos também importantes para o Nordeste como um todo, que deixou de ser exportador maciço de mão-de-obra, já que criou oportunidade de emprego e renda “como nunca antes”. Só para efeito de comparação, ainda hoje a atividade econômica nordestina cresce acima de 4% (nos cinco primeiros meses de 2014), resultado superior à média nacional (0,6%), segundo o Banco Central.
Exemplo de superação das dificuldades, Marina Silva conta em sua biografia com uma passagem como empregada doméstica. Dureza. Mas a contribuição de Marina no fortalecimento do governo do primeiro operário na Presidência ajudou a mudar a situação das empregadas domésticas.
Primeiro com a valorização do salário mínimo, que passou de R$ 200, no último ano do governo do tucano Fernando Henrique Cardoso, para os R$ 724 atuais.
Depois, com a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição das Empregadas Domésticas, de 2013, que ela, com seu exemplo e luta a favor dos oprimidos, ajudou (ainda que indiretamente) a garantir.
Mais de um século depois da Abolição da Escravatura, 7,2 milhões de empregados domésticos brasileiros foram incluídos na categoria de cidadãos dotados de mínimos direitos trabalhistas, entre os quais o controle da jornada de trabalho, definida em oito horas diárias.
Além disso, a categoria começou a receber horas extras, remuneradas com valor pelo menos 50% superior ao normal.
Marina estudou muito, de modo a formar-se como historiadora, professora e psicopedagoga, em uma época em que o país só oferecia aos membros da elite branca a possibilidade de conquistar um diploma de nível superior.
Como membro do Partido dos Trabalhadores e afrodescendente, Marina ajudou a fazer a revolução educacional que aumentou o acesso dos mais pobres e morenos aos bancos universitários.
Pela via da ampliação no número de vagas nas universidades federais, do ProUni e do Fies, o número de vagas no ensino superior mais do que duplicou de 3,5 milhões (em 2002) para 7,1 milhões (em 2013).
Uma vida de vitórias, exemplos e superações.
Mas Marina Silva acabou no domingo 12 de outubro, quando virou as costas para sua própria trajetória ao declarar voto no candidato Aécio Neves, o representante de uma política econômica ostensivamente contrária à valorização do salário mínimo e à ampliação das políticas sociais e de inclusão.
Com o capital eleitoral que conseguiu reunir no primeiro turno (21,32 % do total de votos, ou 22.176.619 eleitores), Marina poderia ajudar sua Rede Sustentabilidade a se consolidar como a tal terceira via de que tanto falou antes.
Ela preferiu juntar-se a forças bem conhecidas dos brasileiros:
Que criminalizam os movimentos sociais;
que atentam contra a liberdade de imprensa;
que são apoiadas pela chamada “Bancada da Bala”,
por Silas Malafaia e por Marcos Feliciano.
Sem contar que os votos de Levi Fidelix (PRTB, o idiota que fez do aparelho excretor um programa de governo), devem ir para Aécio também.
Marília de Camargo César, autora da biografia “Marina: a vida por uma causa” (editora Mundo Cristão, 2010), conta que, diante de um problema de difícil resolução, a ex-ministra costuma praticar a “roleta bíblica”, que consiste em abrir a Bíblia aleatoriamente, para saber o que Deus recomendaria na situação.
Não é difícil imaginá-la nesse mister quando ela se saiu com a ideia de pedir que o PSDB reconsiderasse a campanha pela redução da maioridade penal, como condição sine qua non a seu apoio.
Aécio respondeu sem pestanejar: -Não!
E assim acabou-se mais uma ‘convicção firmíssima’ de Marina.
Descansa em paz, Marina!

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

REMOENDO OS NÙMEROS DA ELEIÇÃO EM PAULÍNIA

Alerta aos líderes de grupos políticos
Passado o calor do clima da eleição em primeiro turno para a Presidência da República e Governo dos Estados, bem como para os proporcionais, deputados estaduais e deputados federais, a classe política de Paulínia deve refletir sobre o comportamento do eleitor. As lideranças e grupos articulados ficaram expostas diante do eleitorado com as votações dos candidatos apoiados por ele.
Todos no painel
Um novo cenário para 2016 poderá ser desenhado a partir dos números confirmados. Político de verdade não vive só de vitória e nem só de derrotas, vive de resultados. Os resultados satisfatórios são administrados e os resultados desfavoráveis são analisados e confrontados na linha geral da conjuntura para ajustes das propostas, estruturas de trabalho, relacionamento com seu grupo e estratégias de ação e comunicação com seu público.
Ponto de vista
Para nossa surpresa, ainda existem pessoas que preferem atacar quem escreve do que pensar e analisar o que a gente escreve. São o que deveriam calçar sandálias, pisar de leve nas pessoas e procurar ver obstáculos.
Só que ao contrário, formam um tipo de político que tem a necessidade de se mostrar acima de tudo e de todos. O processo do qual saímos em 5 de outubro, mostrou que essas pessoas estão mesmo por baixo das massas e vão de ladeira abaixo na escalada pelo poder na cidade, caso persistam na mesma toada, a considerar a estrutura montada, o investimento em pessoas, a barulheira em seu nome, tudo comparado com as votações obtidas.
Ponto de vista II
A presente edição do NOTÍCIA23- apresenta importantes observações do processo da eleição de 2014 e uma percepção do comportamento do eleitor.Com certeza, nossos apontamentos poderão contribuir para melhorar o desempenho de lideranças perante seus aliados e ajudar na reorganização dos grupos e partidos políticos.
Então vejamos
Votações recebidas em Paulínia por candidaturas expressivas nacionalmente não fez o eco esperado e nem cabe a nós avaliar os motivos. Só que vale destacar que pelo barulho feito na cidade, o dirigente maior do PMDB no Estado teve uma votação muito baixa, embora tenha sido eleito. Pouco mais de 200 votos por uma panfletagem em massa e equipe uniformizada nas ruas e semáforos, significa que algo não funcionou. Outro destaque que merece ser observado foi a votação de Jaiminho (PSC) em Paulínia. Ex vereador, ex-presidente da Câmara, secretário licenciado e candidato a deputado estadual mais de uma vez, portanto homem muito conhecido.
Os números exatos
Para poupar as pessoas de considerações pejorativas, a gente prefere não revelar números e se ater só na performance dos casos que mais chamam a atenção. Um quadro das votações está publicado. O vice- prefeito Francisco Bonavita(PTB) viu a votação de seu candidato Campos diminuir em relação às eleições de 2010. Ele deve ter coçado a cabeça com o resultado a procura de explicação. Uma delas pode ser o afastamento da família Nasário com o vereador Fábio Valadão (Pros) que apoiou a candidatura de Cidão Santos a Estadual . Por outro lado, Bona teve o reforço do mandato do vereador Zé Côco e de muitos ocupantes dos cargos em comissionados.
Tuta e o time
Enganou com a cor da chita quem pensou que o empresário Tuta Bosco e o ex- prefeito José Pavan Júnior estivessem no mesmo projeto. Ao contrário, Tuta, cujo nome é anunciado pelos quatro cantos da cidade, como possível candidato a prefeito, deixou de lado o vereador Edilsinho Rodrigues e apoiou Rogério Nogueira do DEM para deputado estadual e Alex Manente para deputado federal. Pela logística montada com equipe e barulheira, hoje estamos seguros em afirmar que o nome dele não empina como candidato a prefeito. Ele sabe o quanto investiu e qual foi o resultado.
Só na impressão
Prefeito por dois mandatos e mas sete meses num terceiro, José Pavan Júnior (PSB) ficou além das expectativas esperadas pelo público e confirmou a máxima de que sem o ex-prefeito Edson Moura, ele não sai do chão.
Pavan Júnior teve menos votos do que o vereador Danilo Barros ( PCdoB). Homem e família tradicional, eleito a primeira vez ainda muito moço em 88 com o prestígio do pai, o ex- prefeito José Pavan, perdeu em 96 para Dude Vedovelo, então vice- prefeito e apoiado por Edson Moura que ganhou do candidato, Plínio Chaer Borges dele em 92. Essa é a história de Pavan versus Moura que vamos contando aos poucos.
Não decola
Em 2.000, Pavan perdeu para o próprio Moura com quem reatou e se compôs, voltando ao cargo em 2008, ao vencer por pequena diferença, Dixon Carvalho (PT). Em 2010, rompido com Moura, perdeu para Edson Moura Junior e ficou no cargo até julho de 2013 por força de medidas judiciais.
Dispersos e enfraquecidos
Ao contrário do que se pensava, o grupo de José Pavan Júnior se desgarrou dele. O único seu fiel escudeiro e seu estrategista é João Natanael de Souza, um ex- mourista que tem como escudo o PRTB e como referência política a vereadora Ângela Duarte, por enquanto, crítica ardorosa da administração do prefeito Edson Moura Júnior.
Infidelidade partidáriaPor serem do grupo de Junior Pavan, esse pessoal do PRTB deu as costas para o candidato à presidência da República, Levy Fidelix . O apoio ao próprio Pavan como candidato a deputado estadual e a candidata Marina Silva, foi organizado e coordenado por João Natanael , coordenador politico grupo. Eles se arvoram de responsáveis pela votação de Marina na cidade, menosprezam Levy Fidelix e não assumiram as propostas ousadas defendidas pelo candidato.
Curiosidade e esperteza
Em seus embates contra o grupo do prefeito Moura Júnior, José Pavan buscou apoio de lideranças do PT e prometeu apoiar as candidaturas do partido. No meio do caminho, ele perdeu os direitos políticos e com essa ajuda conseguiu uma liminar em Brasília. A idéia de mostrar apto a voltar ao comando do Palácio 28 de fevereiro, o levou a ser candidato deputado estadual. Agora se a intenção era mostrar força para uma possível disputa, o plano foi por água abaixo.
Euforia e cautela
Se o vereador Danilo Barros (PCdo B) for no barulho dos afoitos de que pela votação recebida já é credenciado como candidato a prefeito, já nos faz lembrar Adilson Palito, outro hoje no PCdoB. O moço espalhou painéis pela cidade se apresentando como o sucessor de Edson Moura e deu no que deu. Palito foi presidente da Câmara no lugar do vereador Marquinhos da Bola, afastado pela Justiça e saiu candidato a prefeito em 2012. E só.
Remoendo os números
Por outro lado, o PT de Paulínia se rearticula e mobiliza para buscar os votos para a reeleição da Dilma no segundo turno. Membros do Diretório e militantes aproveitam o movimento dos mutirões em busca de votos para divulgar o projeto politico do PT e para mobilizar os filiados na participação em movimentos sociais e reforçar a ação politica de seus dois vereadores na Câmara.

sábado, 4 de outubro de 2014

ABUTRES ´S MOTO CLUBE FAZ AÇÃO SOCIAL NA CIDADE DE PAULÌNIA _ SP

Abutre´s  une  o lazer á solidariedade
O  clube está organizado em facções  em todos os estados brasileiros e pretende montar uma sede em Paulínia
Quem os vês pelas ruas ou estradas com suas motocicletas bem equipadas com trajes negros , muitas das vezes nem imagina que por trás daquela  pessoa que acelera firme  está o sentimento de festa, muita alegria e solidariedade com quem mais precisa. São os abutres, nome de uma ave que promove a limpeza no meio ambiente.
O Guarda Municipal de Paulínia, Alexandre Maia,integra o clube e com ele, outros colegas da cidade, ele desenvolve ações na cidade de forma voluntária e comprometida com as questões sociais. Maia, como é conhecido, está há mais de 20 anos na Guarda, um sempre apaixonado por  motocicletas e integra o Abutre`s Motoclube, há menos de cinco anos .
O GM conta que as atividades do Moto Clube tem ensinado muito e ele vê em Paulínia um importante espaço para atividades sociais. Ele e os colegas tem ajudado escolas e instituições do terceiro setor e pretende ampliar as atividades e montar uma sede em Paulínia.  Para isso busca apoio e parcerias
Fundado no dia 10 de setembro de 1989, por China, Reginaldo, Miltão, Luizão e Pateta entre outros, o motoclube Abutres é um dos maiores e mais conhecidos do país. Atualmente o grupo conta com 178 facções, dividido em 27 estados e mais de 10.000 componentes em todo o Brasil e fora do país  sendo o maior em toda a América Latina e um dos maiores Moto Clube a nivel mundial.Os integrantes são homens de todos os segmentos profissionais, como servidores públicos, profissionais liberais e empresários, todos unidos no mesmo idealO nome Abutres partiu dos fundadores do grupo, pois traz a ideia de liberdade e por ser a ave que voa mais alto, além de preta, como as vestimentas em couro dos membros. É um grupo sem fins lucrativos, que reúne amantes do motociclismo com a finalidade de desfrutar do lazer, entretenimento e promover ações filantrópicas por meio de uma motocicleta e boa vontade


Para entrar, é necessário ser homem, ter mais de 25 anos, ser convidado, possuir uma motocicleta e passar por uma série de provações para saber se o candidato se encaixa na ideologia Abutre.Contatos com Maia pelo  fone: (19) 78109878




CAPA DO CROMO PAULINIA, mostra como está a cidade

Corpo a corpo marca a reta final das campanhas pelas ruas de Paulínia
Mais parecia uma liquidação de calçadão de cidade grande ou mesmo uma feira  de idéias e informações , promovida por homens e mulheres  que levaram os nomes dos candidatos de vários partidos aos eleitores que transitaram pelas ruas da cidade até o último dia de campanha.

Há duas semanas, a Justiça determinou a retirada de cavaletes com propagandas de candidatos de vários pontos. Alguns grupos de campanha aproveitaram até o último minuto permitido para fazer a desova geral do material das propagandas, dando um visual politico e pluripartidário  para a cidade.

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

PAULINIA NO VOTO PELO BRASIL

A Política dos Bastidores
Por Miguel Samuel de Araújo
Vota Brasil
Todo mundo sabe que a política nacional, exerce forte  influência sobre a cidade por causa de sua presença no cenário econômico do país. Logo, os eleitores e eleitoras da cidade devem prestar atenção na hora de votar nos deputados que ajudarão chegar no Congresso Nacional ou Assembléia  Legislativa do Estado de São Paulo com seus apoios
Saber em quem votar
Sendo da cidade ou não, os eleitos terão compromissos com o povo de Paulínia, que por sua vez está com o dever de decidir os rumos da política brasileira, votando corretamente neste domingo, dia 5 ,para Presidente, Governador, Senador e deputado Federal e Estadual.
Paulínia no Brasil
Aos poucos, vai ficando claro para muita gente que a cidade não é uma ilha isolada do mundo e que decisões do Congresso Nacional e da Assembléia Legislativa podem influenciar até no sistema de arrecadação da cidade que hoje já tem seu orçamento comprometido. Nas últimas semanas, as ruas da cidade se tornaram passarelas e palcos de candidatos, muitos deles conhecidos como políticos que só se lembram dos eleitores a cada quatro anos.
O bairrismo perigoso
Assim como em eleições municipais, que uma parte significativa das pessoas se deixa influenciar pelo candidato que mora perto de casa, sendo que depois de eleito ele se distancia e se esquece da comunidade, o candidato a deputado é a mesma coisa. Ser da cidade, ou passar pela cidade durante a campanha não garante o empenho dele pelas demandas da população do município
As propostas
Para escolher bem um deputado federal ou estadual, é preciso ter visão geral das políticas no Estado e no país. É preciso saber de que lado está o candidato e qual o projeto ele defende. Em eleições gerais, estão em jogo os projetos de sociedade e modelos de governo. A partir dessa compreensão, a escolha fica mais fácil. Nem sempre a indicação de uma liderança local em um candidato é suficiente para uma boa decisão sobre em quem votar para deputado.
Nossas políticas
Aos poucos na cidade  de Paulínia, vai se construindo um outro modo de pensar muito diferente daquele conhecido de até pouco mais de uma década. O novo comportamento é visível pela presença de pessoas em sessões de Câmara que contraria o pensamento ainda conservador de algumas pessoas que chamam o povo de massa de manobra desse ou daquele político. Mentira e leviandade pura.
Mão do gato alheio
 Interessante, os que fazem o uso desse discurso.  São exatamente os que usam ou pelo menos tentam usar o povo. Trata–se justamente daqueles que dão show para a galera presente nas sessões,  principalmente depois que a Câmara passou a transmitir as sessões ao vivo pela internet.
Interesses coletivos
A rigor, o povo comparece em massa nas Sessões de Câmara, sempre que tem matérias de seu interesse, haja visto, quando se discutia os cortes nos subsídios para as entidades de terceiro setor e quando foi tratado sobre as moradias do Residencial Pazetti,  para as famílias de baixa renda.
Discussões importantes
A audiência pública marcada para discutir a Parceria Pública Privada do Parque Brasil 500 e o convênio na Saúde, são os principais destaques na agenda política da cidade. A audiência pública será no dia 8 na Prefeitura de acordo com os comunicados e convites. O convênio na Saúde está em discussão na Câmara de Vereadores.
Sistema de Cultura
Outro setor que merece atenção especial até mobilização por parte de pessoas da cidade interessadas no assunto, é a Cultura que se prepara para o Sistema Nacional. Para viabilizar a idéia se torna necessário a viabilização do Fundo e do Conselho Municipal. A população organizada não pode ficar longe das ações e acompanhar os investimentos e as despesas da pasta.
Quer e diz que não quer
Fontes seguras confirmam que as investidas dos 40 contra os 15 , ou seja do pessoal do ex prefeito José Pavan Júnior  contra o pessoal do prefeito Edson Moura Júnior, não passa de fachada. Estão mais do que juntos, de acordo com os post nas redes sociais do ex- assessor de Moura e articulador políticos de José Pavan Júnior, João Natanael de Souza, conhecido como Nata, a gosma que borbulha sobre o leite quando ferve.
Cortejo discreto
 Ele canaliza as criticas de pavanistas e outros mouristas desgarrados para se fortalecer no propósito do approuch. Com Nata, já estão Paulo Gomes e Lúcia Abadia entre outros que não se acomodaram no governo Moura Júnior.  Por outro lado, no pessoal mais próximo de Edson Moura, o pai do prefeito, tem uma facção que vê o Gosma como pessoa não grata por conta de histórias passadas com o ex- companheiro.
Histórias reveladas
 Ele tem a triste fama de ficar de churrasqueiro e guardar a melhor parte do filé para ele .Quando tinha pizza, ele comia demais e sempre tinha nem uma fatia sequer.  Os mouristas tradicionais têm um pé atrás com o moço que também parece não ter agradado os pavanistas. Contam que na época dos processos, ele ficou incumbido de alimentar um pessoal de Brasília e abriu a marmita no caminho.
O desapego que pega
Vai daí, as criticas e ataques pessoais de Nata ao líder de governo Sandro Caprino. Agora, ele se enveredou contra Miguel Samuel, o cara que escreve esta página, só para vender a fachada de opositor critico. Não passa de fachada, há! há! há !. Como nós nos apresentamos, a gente está ligado na Política dos Bastidores


quinta-feira, 25 de setembro de 2014

DO NOTÍCIA 23- POLÍTICA DOS BASTIDORES

A Política dos Bastidores
Por  Miguel Samuel de Araujo

Eleições 2014
Estamos já na reta final de mais um processo do qual sairão, presidente da República, Governadores, senadores e os deputados federais e estaduais. As propagandas se intensificam com propostas das mais bem elaboradas, cada uma mais bonita do que a outra que parece uma receita de quitute guardada nos baús de nossas avós. No caso dos deputados, muitas candidaturas estão presentes na cidade. Cabos eleitorais e candidatos  fazem caminhadas pelas ruas, cumprimentado eleitores com seus encantos e promessas.
De olho  neles
Uma vez conhecido os resultados das urnas cabe a cada eleitor e eleitora, o dever de acompanhar o mandato do eleito, tanto para a Assembléia Legislativa como para o Congresso Nacional. Paulínia e região estão inseridas no contexto nacional e convive com problemas que podem ser solucionados com a intervenção de deputados, como segurança, estradas, abastecimento de água, saúde e legislações. Resta apostar que Paulínia continue nas agendas deles.
Mais atentos
O povo que de modo geral só tem contato  com deputados ao vê-los pela TV. O eleitor comum mal se relaciona  com os vereadores da cidade, se esquece que as casas legislativas tem responsabilidades e os representantes , os deputados estaduais e federais estão no poder por força do voto. As pessoas devem discutir a cidade continuadamente com os vereadores e acompanhar os trabalhos da Câmara que agora transmite suas sessões ao vivo pela internet, em um site bem atualizado.
Poderes legitimos
O vereador  é o fiscal do Poder Executivo e o povo fiscaliza o vereador. È o exercício da cidadania.Com o avanço das tecnologias da informação, a mesma regra pode ser aplicada para deputados.
Embate das idéias
Tanto da parte dos vereadores, como da parte do povo que assiste, a transmissão das sessões de Câmara  ao vivo pela Rede de computadores impõe regras de comportamento nas partes, foi o que observamos ao ver a última sessão, isso sem contar as vaidades  expostas de forma clara em discursos feitos por quem aproveita para se aparecer sempre que pode com efeito nas expressões da fala e do corpo. Assistam o  vídeo e confiram. O líder do Governo, vereador Sandro Caprino do PRB demonstra firmeza nas respostas ás criticas de opositores  que colocam dedos em ferida em vias de criar casquinhas.
Carapuça
Não é de hoje  que alertamos sobre o desfecho que poderão ter algumas das criticas do pessoal da oposição ao governo. O fato por pouco não se consumou quando o vereador Fábio Valadão ( Pros) levantou a história da compra de votos com a exibição do vídeo mostrado pelo Fantástico. Caprino não tirou a razão do colega e só destacou que entre os que atacam o prefeito e seu grupo politico, tem gente que esteve junto com ele até há pouco tempo.O líder  os classificou como ingratos que cospem no prato que comeram. Houve reações da oposição, só que  de forma em bem ponderada
Arranhadas e agradinhos
Quem conhece a história das relações entre o grupo politico liderado pelo prefeito Edson Moura Júnior e do  ruralista e ex- prefeito José Pavan Júnior, aposta que tudo não passa de uma encenação dessas bem  parecida com o acasalamento de gatos. Fazem um escândalo medonho, se aproximam e em seguida cada um corre para um lado como se um nada tem a ver um com o outro. Hoje o pessoal do Pavan está rodeando os Moura
Tentativa de um a approuch
A não ser que a gente seja traído ou induzido ao erro por uma fonte, essa movimentação toda do pessoal liderado por Pavan contra os Moura , não é outra coisa que não seja uma tentativa de aproximação com vistas ao processo das disputas locais em 2016. Tudo se evidencia na performance pavanista e nas investidas do pessoal dele aos Moura pelas Redes Sociais. Nossa fonte captou rumores no grupo que não sobrevive fora da máquina e muito menos sozinho. Tudo vai depender do desfecho eleitoral. Os que não querem a reconciliação pública entre os grupos apostam que em Paulínia,  como candidato a deputado estadual, Pavan Júnior (PSB) terá menos votos do que o vereador Danilo Barros ( PCdoB).Se isso ocorrer, o grupo que se abriga sobre a Gosma que borbulha sobre o leite quando ferve  se acaba, se dilui  no processo politico.A rigor, segundo nossa fonte, é esse tal Gosma que borbulha sobre o leite quando ferve, o estrategista do grupo , que tenta o approuche  com os Mouras.
Confiabilidade
Depois de rachar o cabo da caçarola, não há como evitar que o leite derrame depois que ferve. Embora diga não confia mais em Pavan Júnior, Moura não quer mais mesmo, é lidar com aquele grude que escorre pela chapa quente. Foi o que conseguimos entender das conversas.Com isso, o cara detona os Moura pelas Redes Sociais para barganhar seu espaço e vai daí, os ataques diretos que ele faz ao líder Sandro Caprino nos grupos.Pois não é que  no grupo Muda Paulínia, até a Lúcia Abadia o classificou como grande estrategista, há! há! há.
O  futebol do poder
 Agora, o trio do ataque formado por Lúcia Abadia, Paulo Gomes e João Gosma que fica sobre o leite quando ferve joga assim: Um levanta a bola, o outro mata no peito e rola para o outro que fica na cara do gol. O time dos Moura se defende com o trio formado por Sandro, Artur e companhia.O Gosma sobre o leite tenta quebrar as pernas do Sandro que aprendeu pular driblando. Basta ver a sessão pela internet. Muito engraçado
Jogo Ingrato
A evidencia da critica de Moura pai ao ex- prefeito José Pavan Júnior de que ele não cumpre o que combina , se evidencia na atitude do ruralista em relação á deputada estadual Ana do Carmo e dirigentes do PT de São Bernardo do Campo, para os quais ele jurou apoio político e jurídico, quando deles precisou para governar sete meses. Foi um mico que até agora não está esclarecido. A verdade é que Pavan se tornou candidato a deputado estadual pelo PSB contra o PT e o seu pessoal , incluindo a vereadora Angela Duarte  que fez a maior onda com a deputada está dividido entre as candidaturas de Marina (PSB) e Levy Fidelix (PRTB).
Juro em falso
 Em reunião no Hotel IBIS , da qual participou um grupo de filiados do PT, Pavan se emocionou e se declarou feliz pela oportunidade de estar se aproximando do partido que ele sempre admirou desde seu surgimento em São Bernardo. Sob os aplausosde petistas presentes,  ele disse que seu grupo estaria firme para ajudar na reeleição de Ana do Carmo.